Phelps, está sobrando água, não se preocupe!

O Rio Amazonas sozinho consegue alimentar toda população mundial e mais 20 vezes essa população de acordo com a ONU. Assisti o comercial da Colgate com o Michael Phelps culpando a população que possui acesso a água pela falta de acesso a água de outra parte da população mundial. Se um rio sozinho consegue fornecer água para 21 vezes a população mundial, então porque ainda existem pessoas sem acesso a água potável em abundância? A resposta é mais simples do que se imagina: Monopólio estatal.

O rio Amazonas tem uma vazão de 215 milhões de litros de água por segundo, ou seja, em 36 segundos produz 1 litro para cada um dos 7.608.081.000 habitante da terra. Toda essa água é desperdiçada, jogada no Oceano e tornando-a salgada e imprópria para consumo, além do rio amazonas, existem milhões de rios no mundo que fazem a mesma coisa, despejam uma quantidade infinita de água no Oceano. O Oceano por sua vez devolve essa água para terra através das chuvas e lençóis d’água tornando o fornecimento de água infinito, nos lembrando da celebre frase de Guingamp Lavoisier ” Na Natureza nada se cria, tudo se transforma”.

O controle da água sempre foi estratégico para se controlar uma população. Em toda história da humanidade as pessoas buscavam morar próximas a um rio, poço ou a uma fonte de água, além dos cuidados com a higiene, é fundamental para alimentação, produção de alimentos e para produção e execução dos mais variados produtos e serviços. Quem controla a água, controla toda a sociedade e controlar as pessoas é tudo que o estatista deseja, já dizia Ludwig Von Mises “Todos socialista é um ditador disfarçado”.

Se eu quisesse acabar com a seca no nordeste do Brasil hoje, o estado me impediria. Sim, o estado exige uma burocracia enorme para tratar e vender água, se eu quiser furar um poço e utilizar a água que já está disponível no subsolo com qualidade também sou proibido. O estado se diz dono de todo subsolo, mas nunca o colonizou, o que caracteriza roubo. O estado roubou o subsolo simplesmente para manter o povo sem água e para justificar os R$ 8.400.000.000,00 gastos com a transposição do Rio São Francisco até 2013.

Mas se a água ficará sob controle do estado e a Colgate Palmolive é empresa privada, porque ela deseja tanto o monopólio estatal sobre a água? Simples meus amigos, as pessoas não aceitam uma empresa controlando diretamente a água, mas aceitam que a empresa controle a água através de leis que lhe garantem o monopólio. O estado cria o monopólio dizendo que a água é um direito de todos e apenas o estado deve controlar a água para garantir que a água nunca acabará, o público percebe que o direito estatal está retirando o poder do povo sobre a água e tornando-a escassa.

Sendo assim, pressiona o estado pelo fim do monopólio, então o estado diz que haverá livre concorrência, contanto que as empresas sigam as regras estatais que seriam criadas para garantir acesso de todos. Logicamente o monopólio estatal continuou, só mudou de nome e estrutura, agora terceirizando a produção para o setor privado que fará somente o que o estado determinará. Com isso os órgãos ambientais são acionados sempre que algum concorrente da Colgate Palmolive aparecer, enchem o concorrente de multas e o levam à falência. Não se engane, eles não querem salvar a natureza.

 


Por Renato Furtado

Sobre a vazão do Rio Amazonas

Segundo a ONU 110 litros de água é o necessário por dia por pessoa

Marcas da Colgate Palmolive

População Mundial

Gastos com a transposição do Rio São Francisco

Renato Furtado
Sobre Renato Furtado 100 Artigos
Monoteísta Noeísta, empresário e luta pela Democracia Plena. Dono da página Todo Trabalhador é Capitalista e RenatoFurtado.com no Facebook.

Seja o primeiro a comentar

Comente para que eu possa evoluir a cada artigo