Anarquia da noite para o dia

Por Igor Victa

Como todos sabemos,nenhuma mudança ocorre repentinamente,existiram estágios em quase todas elas que podemos observar, o primeiro é a origem de uma ideia, o segundo é a propagação dessa mesma ideia e o terceiro seria sua aplicação,se a ideia for boa ela consegue se consolidar em um grande espaço.

Mas imagine só,que no badalar da meia noite no dia em que você decidiu ler este artigo as capitais do mundo simplesmente declarassem extinção dos seus respectivos estados,irei divagar agora sobre algumas hipóteses do que pode vir a acontecer.

Finanças e Economia

Sem um banco central cartelizando o sistema bancário,os grupos que regem a economia perderiam sua força,não seria necessário o aval do estado para abrir um banco ou taxar qualquer tipo de aplicação ou transferência bancária.

Sem a genialidade dos iluminados de Brasília,a moeda iria se valorizar,devido ao fato de que as restrições trabalhistas seriam revogadas e os empecilhos para empregar e investir,não teria nenhum Chicago-boy aumentando impostos.

Estatais e serviços públicos

Em um primeiro momento,tudo ficaria exatamente igual,creio eu que demoraria algumas semanas até a ficha cair,depois disso,provavelmente os diretores das escolas e dos hospitais assumiriam as rédeas e transformariam os locais em instituições privadas,não teria nenhuma burocracia ou obstáculo para investir nessas áreas,naturalmente nasceria a concorrência e puxaria os preços para baixo.

Nas falecidas estatais,os maiorais que entraram por cabide de emprego levaria as mesmas a falência ou seriam derrubados por outros funcionários e as empresas entrariam no mercado competitivo.

Segurança e aplicação da lei

Sem dúvidas a área mais sensível para alguns em uma anarquia,provavelmente um medo generalizado acometeria toda a população,tal cenário levaria a dois casos,dependendo do local.

O primeiro seria uma omissão do povo e um pedido muito grande por liderança,o que poderia levar a origem de um mini-estado que pode vir a crescer,este cenário é mais provável em  locais mais progressistas, como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul (progressistas).

A outra seria um armamento em massa da população,estas usariam as armas para impedir crimes e fazer a segurança com rondas comunitárias,este é um cenário mais plausível para locais com muitos conservadores.

As forças policiais ficariam divididas,algumas tentariam se impor na base da força,outros cobrariam pelos serviços e montariam forças privadas.

Conclusão

Nesse arranjo,nada impede um idealista de esquerda ou direita de montar um estado e ludibriar as pessoas a segui-lo,caberia aos libertários montar algum tipo de sociedade e mostra a eficácia do que acreditamos.

Seja o primeiro a comentar

Comente para que eu possa evoluir a cada artigo