Código Mundial Antidoping contra a liberdade nos Esportes

Brasil - Rio de Janeiro - RJ - 15/12/2010 - Os lutadores brasileiros Vitor Belfort e Anderson Silva (d) durante o lançamento do UFC - Ultimate Fighting Championship realizada no Palácio da Cidade. A competição acontece Agosto de 2011. Foto: Fernando Soutello/AGIF
Brasil - Rio de Janeiro - RJ - 15/12/2010 - Os lutadores brasileiros Vitor Belfort e Anderson Silva (d) durante o lançamento do UFC - Ultimate Fighting Championship realizada no Palácio da Cidade. A competição acontece Agosto de 2011. Foto: Fernando Soutello/AGIF
Brasil – Rio de Janeiro – RJ – 15/12/2010 – Os lutadores brasileiros Vitor Belfort e Anderson Silva (d) durante o lançamento do UFC – Ultimate Fighting Championship realizada no Palácio da Cidade. A competição acontece Agosto de 2011. Foto: Fernando Soutello/AGIF

Criada em 1999, a AMAD (Agência Mundial Antidoping) seria supostamente independente, apesar de ter nascido liderada pelo COI (Comité Olímpico Internacional). Como já disse em outro artigo, o COI está implantando a agenda da ONU (Organização da Nações Unidas) nos esportes. Fortes regulações e fim das liberdades individuais são a meta e em 2004 a AMAD criou o Código Mundial Antidoping que estreou nos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004.

Em Atenas apenas 11 foram registrados no total competiram 10.625 atletas. Eu concordo que alguns esportes tenham sua versão sem doping, mas acredito que deve haver uma versão livre também onde os atletas possam utilizar bombas. O MMA chamou atenção nos últimos dias após o retorno de Anderson Silva ter sido ofuscado pelo uso de Benzodiazepina no teste do dia 9 de Janeiro e Drostanolona no teste do dia 31 de Janeiro. O atleta afirmou “Em dezoito anos de carreira, nunca tive problemas com exames. Sempre joguei limpo. Nunca fui trapaceiro.

O UFC anunciou essa semana que a partir de 1 de Julho realizará exames surpresas antes e depois das lutas, e o lutadores que derem positivo ficarão suspensos por 4 anos. Também foi aberto ao público que a AMAD pretende aumentar a punição de 1 ano para 4 anos para comissões atléticas do mundo inteiro. Para mim o UFC faz o que bem lhe entender, mas quem perde são os fãs, eu acredito que outros torneios que permitem o doping devem crescer a partir desse momento.

No inicio de 2014 o Estado de Nevada, nos Estados Unidos, criou uma Lei Antidoping estabelecendo limite de Testosterona, Vitor Belfort fazia um tratamento de reposição de testosterona e não pode lutar no UFC 173, mesmo fazendo o tratamento por motivos de saúde, o lutador abandonou o tratamento para poder voltar a lutar. Belfort luta para o MMA se tornar um esporte Olímpico e apoia os exames quando realizados igualmente em todos lutadores, mas testes avulsos são injustos.

Estou dando ênfase ao MMA, pois acredito que seja um esporte que busca o extremo do ser humano para ver quem são os melhores lutadores do mundo entre todas artes marciais e todas essas regulações acabam tirando a essência do esporte. O hipismo sofre muito com exames antidoping em cavalos, além de outros esportes em que os participantes necessitam explorar o limite de sua força. Acredito que o antidoping pode estar sendo utilizado para selecionar atletas com perfil que mais interessam a AMAD, lembrando que Anderson Silva se recusou a utilizar o uniforme do UFC.

Renato Furtado
Sobre Renato Furtado 100 Artigos
Monoteísta Noeísta, empresário e luta pela Democracia Plena. Dono da página Todo Trabalhador é Capitalista e RenatoFurtado.com no Facebook.