Não há Governo quando há estado

Sim, Governo e estado (escrevo propositalmente com letra minúscula) são diferentes e é impossível haver Governo onde há estado. O estado são pessoas organizadas para tirar o Governo, gerando o Caos. Os acontecimentos políticos e todas suas polêmicas fazem parte do estado e servem para tirar o foco da população que perde o Governo sobre si mesma para tentar dominar o estado.

De antemão já irei responder uma pergunta que já deve estar na sua cabeça, se não há Governo onde há estado, então como pode existir o governador do estado? Definições:

  • Governar: Administrar, dirigir, gerir, comandar, reger.
  • Governo: Ação, resultado ou efeito de governar ou de se governar (orientar); governança.
  • Estado: é uma forma organizacional cujo significado é de natureza política.

O estado em si é governado por políticos, mas onde o estado atua ele retira o Governo. Cada pessoa deve governar sobre si mesma e sobre suas posses, desde que não prejudique a um terceiro. Já o estado governa sobre si mesmo, sobre suas posses e prejudica a terceiros ao retirar o Governo das pessoas sobre si mesmas e de suas próprias posses. Quando o estado governa sobre si mesmo, ou seja, faz uma lei que atinja somente uma empresa estatal, ele está governando. Quando o estado faz uma lei que atinge empresas privadas, então ele está deturpando o mercado, prejudicando a população, ou seja, ele está sendo o estado.

Uma pessoa livre governa sua vida de acordo com a ética e seus princípios morais, dessa forma toma a maioria de suas decisões de modo que não fique com peso na consciência, pois era justamente aquela a melhor opção naquele momento, dessa forma a sociedade vive em harmonia, pois a responsabilidade da ação é totalmente de quem a tomou. Já uma decisão com a interferência do estado leva a pessoa a escolher uma outra opção que não é a melhor, mesmo sendo o que a pessoa deseja fazer, e ela muitas vezes não fica com peso na consciência pois joga toda culpa no estado. Exemplo:

  • Sem o estado: Você tem um trabalho que ama e ganha bem por isso, mas surge um concorrente que oferece um serviço melhor e mais barato. Você aprende com o seu concorrente para se igualar a ele e estuda uma forma de melhor ainda mais seu serviço e produtividade para ser melhor do que seu concorrente e se manter no mercado, pois sabe que se continuar do jeito que estava antes, será superado por gerar menos valor para sociedade do que seu novo concorrente. Caso você não consiga mais concorrer, muda o ramo e se adapta naturalmente ao novo mercado sem prejudicar um terceiro, pois os outros não devem pagar pelos seus problemas.
  • Com o estado: Você tem um trabalho que ama e ganha bem por isso, mas surge um concorrente que oferece um serviço melhor e mais barato. Você monta uma associação de classe ( OAB, CRM, CREA, etc) ou uma agencia reguladora (ANATEL, ANEEL, ANAC, ANP, etc) ou faz uma lei regulamentadora (CLT, Taxi, Leis de incentivo, etc) para impedir que uma pessoa que gera mais valor para sociedade do que você, possa entrar no mercado e tornar a sociedade melhor, através da criação de regras que engessam o produto ou serviço para não haver inovação. E para garantir de vez seu emprego perene, como se fosse um funcionário do estado terceirizado, cria uma lei exigindo que as empresas gastem um percentual da receita com você ( lei do incentivo a cultura, tecnologia e marketing). Isso tudo encarece o serviço/produto sem o cliente desejar pagar por esse valor adicional, além de travar as inovações, no final toda população acaba pagando por um problema que deveria ser somente seu.

Como podemos ver no primeiro exemplo a negociação entre o cliente e o fornecedor se dá de maneira voluntária, pois o fornecedor governa sobre si e suas posses e o cliente governa sobre si e suas posses. Já no segundo exemplo, o estado impede o cliente de escolher de quem comprar, impede a escolha de qual serviço/produto deseja comprar e ainda impede de escolher o fornecedor gerando um prejuízo enorme para o cliente, os fornecedores que não fazem parte do estado, também perdem, pois são punidos por inovar e por oferecer ao cliente o que o mesmo deseja comprar. Sendo em boa parte dos casos levados à falência. O foco fica totalmente distorcido, pois não é mais gerar valor para o cliente e sim dominar o estado para que possa oprimir o cliente e os outros fornecedores.

Como se manterá a ordem sem o estado?

Com as pessoas governando sobre si mesmas e suas posses, logicamente se uma pessoa prejudicar outra, a prejudicada desejará o ressarcimento do prejuízo. A primeira atitude é conversar com a pessoa que causou o prejuízo, como já acontece hoje em dia, a pessoa tende a pagar o prejuízo. Quando o causador do prejuízo se nega a pagar, entra a seguradora ou a policia ou o arbitro para mediar a negociação, como a pessoa que gerou o prejuízo teria que pagar por todo esse esforço extra, ela teria a tendência de resolver tudo no inicio, naquela primeira conversa. A justiça seria rápida e justa, pois seria utilizada somente quando realmente fosse necessária e sem a distorção causada pelo estado de que uma pessoa pode prejudicar a outra se for através do estado. O direito natural é uma forma de finalizar uma disputa entre as pessoas de forma justa, enquanto o direito estatal visa gerar uma disputa entre as pessoas.

Renato Furtado
About Renato Furtado 93 Articles
Cristão, empresário e luta pela Democracia Plena. Dono da página Todo Trabalhador é Capitalista e RenatoFurtado.com no Facebook.

7 Comentários

  1. Correto. Acredito que muitas pessoas vão entender melhor a questão de litígios a se preparar melhor para uma final eliminação do estado ao visualizar melhor, de forma sistemática, um sistema com árbitros e/ou polícia privados para resolvê-los, como isso poderia funcionar de forma prática e totalmente dependente no voluntarismo.
    É a única questão que ainda considero quando penso na extinção total desses bandidos que têm roubado a humanidade desde Hamurábi

  2. Cara, o texto é muito bom. Mas se tu vais falar em caos. Estás a falar em sistemas determinísticos não lineares. Então, estado refere-se a localização atual do sistema. Talvez seja interessante trocar o conceito estado por nação ou federação. A definição fica estranha. Com todo o respeito…

Comente para que eu possa evoluir a cada artigo